Em 2019, dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), estimavam uma população 15.134 pessoas. Em 2010, eram 13.431 habitantes.  A população urbana soma 5.328 pessoas e 8.032 habitantes estão na área rural. A densidade demográfica é de 4,35 hab/km ². O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal atinge 0,596 e quanto mais próximo de 1 revela melhor qualidade de vida, o que não é totalmente o caso.

 

Pelos dados do Censo IBGE/2010, a estrutura etária da população revela que 31% dos moradores tem menos de 15 anos, 65 % estão entre 15 e 64 anos e 4% da população estão acima de 65 anos. A dependência da população economicamente ativa envolve 53,58% dos moradores. A taxa de envelhecimento alcança 4,29% e revela a relação existente entre o número de idosos e a população jovem. Pelos dados do Instituto, em 201º, a taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade atinge o índice de 94,2%. 3.778 estudantes estão no ensino fundamental e 772 no ensino médio. 2,3% da população local possui ensino superior.

 

Ainda pelos dados do IBGE, em 2017, a mortalidade Infantil era de 23,87% óbitos por mil nascidos vivos. Em 2016, 3,2% das internações por mil habitantes estavam relacionadas com a diarreia. A cidade possui seis estabelicimentos do Sistema Único de Saúde (SUS).  

 

A renda per capita na cidade é de R$ 323,18. 18,88% são de extremamente pobres e 42,76% de pobres.  O salário médio mensal dos trabalhadores formais, em 2017, era de 2,6 salários mínimos.  53,6% da população tem rendimento nominal mensal per capita de até ½ salário mínimo, conforme o IBGE, em 2010.  O contigente populacional vulnerável à pobreza alcança 65,86% dos moradores.  64,14% das pessoas acima de 18 anos ou mais não têm o ensino fundamental completo e a ocupação é informal. A população economicamente ativa atinge 61% dos moradores.

 

Urbanisticamente, 80,48% da população em domicilio de Vitoria do Xingu têm água encanada e 85,37% possui acesso à energia elétrica. 38,77% da população em domicílios conta com a coleta de lixo pelos dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEIA) e Fundação João Pinheiro (FJP), em 2010.  Já em relação ao saneamento básico, 55% do abastecimento de água é poço ou nascente. A Rede Geral alcança 26% da população e 19% tem o abastecimento por outros meios.  O serviço de limpeza responde por 13% do lixo e 29% são queimados, além 26% ser descartado em terrenos baldios. 53% dos domicílios possuem banheiros, 41% possuem sanitários e 6% não tem acesso a estes confortos.

 

Esgotamento sanitário é feito em fossa séptica por 35% da população, 37% usam a fossa rudimentar e 10% utilizam a vala. A Rede geral ou pluvial atende 1% da população.  17% dos habitantes usam outros meios para o esgotamento sanitário, conforme dados do InforSanbas, uma ferramenta colaborativa para estudo e representações visuais de gráficos e mapas relacionados ao saneamento básico no Brasil.

 

O município possui plano diretor e legislação de parcelamento solo, mas os documentos não foram encontrados nas pesquisas feitas pelas equipes da Rede Amazônia. A cidade não tem lei municipal de regularização fundiária. A prefeitura está localizada Avenida Manoel Felix de Farias, s/n, Centro, e o telefone é (93) 3521-1479. Informações podem ser solicitadas pelo e-mail: semad@vitoriadoxingu.pa.gov.br ou no site local da prefeitura clicando no ícone abaixo:

©2020 por Projeto Rede Amazônia.