Em 2010, pelos dados do IBGE, a população local era de 3.604 habitantes e, em 2019, saltou para 4.001 pessoas. A densidade demográfica municipal é 0,28 hab/km ².  Residiam no perímetro urbano 950 pessoas e na área rural 2.654 habitantes, sinalizando potenciais de fluxos migratórios marcados por grandes projetos, como em todo território nacional, além dos motivos econômicos, sociais, ambientais, educacionais, profissionais e as necessidades de sobrevivência frente às políticas públicas locais.

 

Conforme o IBGE, 62,89% da população está na faixa de idade entre 15 e 64 anos.  O Índice de Desenvolvimento Humano (IDHM) é de 0,640 e quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento humano local. A taxa de escolarização é de 96,8% e alcança estudantes de 6 a 14 anos de idade, conforme IBGE/2010. Neste período, 592 pessoas tinham o ensino fundamental e 176 ensinos médio. 6,3% da população com 25 anos ou mais têm ensino superior. Em 2009, haviam três estabelecimentos do Sistema Único de Saúde (SUS) para atender aos moradores. Não foram localizados dados sobre a mortalidade Infantil (2017) e as internações por diarreia (2016).

 

Pelos dados do IBGE, a renda percapita é de R$ 375,85 e 13,96% são extremamente pobres e 27,89% de pobres.   O salário médio mensal dos trabalhadores formais (2017) é de 1,6 salários mínimos e 56,03% são vulneráveis à pobreza. 41,2% da população tem rendimento nominal mensal per capita de até ½ salário mínimo, conforme IBGE em 2010.

 

Em relação à realidade urbanística, envolvendo habitação e saneamento básico, 68,97% da população em domicílios possuem água encanada e 93,99% energia elétrica. 86,60% da população em domicílios possuem coleta de lixo, conforme dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e a Fundação João Pinheiro (FJP).

 

O abastecimento de água tem origem em poço e nascente e alcança 57% da população. A Rede Geral atinge 6% e 37% dos moradores utilizam outros meios de acesso à água. O serviço de limpeza reponde por 89% do condicionamento do lixo, 10% são queimados e 1% são recolhidos em caçambas. 95% dos domicílios possuem banheiros e 5% têm sanitários. 4% do esgotamento sanitário são feitos em fossa séptica. A fossa rudimentar alcança 94% da realidade local. A vala é utilizada por 1% dos moradores, conforme dados da InfoSanBa (2010), uma ferramenta tecnológica colaborativa para estudos sobre a realidade do saneamento municipal no Brasil.

 

Pelas pesquisas realizadas pelas equipes da CRF-UFPA em várias fontes de informações, não foram encontradas legislações sobre plano diretor, legislação de parcelamento do solo e lei municipal de regularização fundiária, o que não significa, necessariamente, que não existam. A prefeitura de Rondolândia está localizada Avenida Joana Alves de Oliveira, s/n°, e os contatos podem ser feitos pelo email contato@rondolandia.mt.gov.br. Para mais informações clique no ícone abaixo:

©2020 por Projeto Rede Amazônia.