Rede Amazônia realiza 5ª videoconferência


O Programa Morar, Conviver e Preservar a Amazônia (Rede Amazônia) realiza nesta sexta, 11 de setembro, a partir das 16 horas, horário de Brasília, a sua 5ª videoconferência para compartilhar os conhecimentos de boas práticas de regularização e combate aos conflitos socioambientais sistematizadas a partir da leitura realizada pelas nove coordenações dos Grupos de Trabalho Estaduais na Amazônia Legal. A atividade é mais um passo importante da rede de ensino, pesquisa e extensão que trabalhará, até 2021, com a inovação, capacitação e assistência técnica em regularização fundiária urbana, prevenção de conflitos de naturezas socioambiental, habitacional e sanitária nos nove estados amazônicos. Durante a conferência será apresentado o site da Rede Amazônia.

Esta nova janela de comunicação é uma ferramenta em permanente construção e desconstrução e interligará as instituições federais envolvendo pesquisadores das universidades públicas, gestores públicos de 52 prefeituras municipais e segmentos privados dos nove Estados da Amazônia Legal, além de mais de 500 mil famílias nas comunidades beneficiadas pelo Programa. O site é mais um passo de intercâmbio de informações e de boas práticas fundiárias de combate aos conflitos socioambientais.

A ferramenta integra as demandas estabelecidas junto ao Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR) e à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica do Estado do Pará (Sectet) em consonância com a Comissão de Regularização Fundiária da Universidade Federal do Pará (CRF-UFPA). O site foi desenvolvido por Clara Fonseca, do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFPA, e por Igor Leão dos Santos, do curso de Engenharia Civil da instituição federal do ensino paraense.

De acordo com Myrian Cardoso, coordenadora da Rede Amazônia, durante a conferência serão conhecidos os perfis dos programas, projetos, quantitativo de disciplinas e quadro de docentes que abordam as temáticas sobre regularização fundiária urbana, prevenção de conflitos e melhorias habitacionais e sanitárias nas universidades que integram a Rede. Serão compartilhados, também, os resultados alcançados em cada território frente aos objetivos traçados desde o início do funcionamento das ações em cada região.

Este cenário global dos Estados, segundo ela, é fundamental para nivelar os conhecimentos dos integrantes da Rede Amazônia sobre a realidade regional e o mapeamento de boas práticas de regularização fundiária, prevenção de conflitos e assistência técnica em habitação. Será possível, ainda conhecer as estruturas administrativas, instrumentos políticos, normativos, técnicos e tecnológicos, além dos fluxos de procedimentos, mecanismos de controle e caracterização da área de intervenção das universidades. “ Estes dados revelarão as capacidades de cada instituição, os seus planejamentos, gestões sobre o ordenamento territorial e as potencialidades de assistência multiprofissional que são fundamentais para implementar os desafios da Rede Amazônia. A expectativa é muito positiva”, avalia Myrian Cardoso.

Texto: Kid Reis - Ascom-CRF-UFPA - Foto: Arquivo Rede Amazônia

13 visualizações

©2020 por Projeto Rede Amazônia.