Metodologia científica estimula desenvolvimento de projetos e a organização do pensamento crítico




Metodologia Científica de Pesquisa. Este é o tema da segunda disciplina do curso de Pós-graduação Lato Sensu Tecnologias Aplicadas à Regularização Fundiária e Prevenção de Conflitos Socioambientais, Habitacionais e Sanitários: Rede Amazônia, que será ministrada pelo professor, engenheiro e pesquisador do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará (ITEC-UFPA), Renato das Neves, a partir desta sexta-feira, 23 de abril, às 8 horas, envolvendo os 40 futuros especialistas do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará (NAEA-UFPA).

Renato das Neves é o vice-coordenador do Programa Morar, Viver e Preservar: Rede Amazônia e esclarece que “por mais que pareça um bicho de sete cabeças, em nossa existência nos relacionamos, consciente ou inconscientemente, com métodos, processos e procedimentos 24 horas por dia”. Na disciplina não será diferente. Uma pesquisa feita com 42 discentes sinalizou ações propositivas que estão disponíveis na sala de aula virtual dos futuros especialistas, assinala.

Os resultados da pesquisa apontam que 42,9% dos participantes sabem interpretar de forma básica os estudos científicos, 42,9% de forma intermediária e 14,3% têm compreensão avançada. Os discentes se mostraram abertos a aprender técnicas para a pesquisa científica e estruturar da maneira mais rápida as monografias e artigos, além de avançar no conhecimento sobre as referências bibliográficas e na normatização dos trabalhos científicos relacionados à regularização fundiária. 57,1% dos discentes preferem aulas expositivas e 42,9% proativas. “Um cenário bem participativo e desafiador. Estamos construindo metodologias para dar voz e visibilidade aos discentes num processo educacional virtual e em defesa da saúde pública”, reforça Renato.

Segundo ele, a pesquisa apontou que 41% dos participantes utilizam o Google Acadêmico e 38,5% pesquisam pelo Google, enquanto o Portal da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) possui uma porcentagem pequena de acesso, embora seja um dos maiores banco de dados públicos para estudos e pesquisas. A pesquisa apontou, também, que a utilização de metodologias expositivas, interativas e inclusivas resulta em um melhor aproveitamento dos conteúdos, uma vez que as aulas remotas somam longos períodos.

Renato informa que os futuros especialistas conhecerão, também, os fundamentos, os métodos e as técnicas de análise na produção do conhecimento científico. Serão debatidas as diversas fases de elaboração e desenvolvimento de pesquisas e dos trabalhos acadêmicos, além de elaborar e desenvolver pesquisas e trabalhos científicos obedecendo às orientações e as normas técnicas.

Neste contexto, serão discutidas a construção de teorias e práticas metodológicas para trabalhar com a temática de regularização fundiária urbana, a Lei de Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social – Lei 11.888 -, os projetos de pesquisa e a realidade local de cada futuro especialista, assinala o professor.

Na bibliografia estão, entre outros autores, Eva Maria Lakatos, Marina de Andrade Marconi, Edgar Morin, Alfonso Trujillo Ferrari, Antonio Joaquim Severino e Milton Vargas. Entre os sites de interesse e para pesquisa, o professor indica: http://www.eac.fea.usp.br/metodologia/; http://trochim.human.cornell.edu/ - http://www.fau.edu/divdept/coe/sfcel/ - portal www.periodicos.capes.gov.br e http:/www.infohab.org.br.


Texto: Kid Reis - Ascom-CRF-UFPA



21 visualizações0 comentário