Estudos de casos abordam cartografia, cadastro, geoprocessamento e tecnologia na Amazônia.


Dando continuidade aos Estudos Temáticos de Casos da Rede Amazônia, a partir das 18 horas de hoje, 30 de março, as equipes dos Grupos de Trabalho dos Estados do Tocantins e do Acre debatem as interfaces entre cartografia, cadastro, geoprocessamento e tecnologia, etapas integrantes e estratégicas dos processos de regularização fundiária e de superação dos conflitos socioambientais.

A Rede Amazônia formou seis núcleos de estudos temáticos envolvendo mais de 20 pesquisadores da Amazônia Legal. Os núcleos estão estruturados com os seguintes temas: análise institucional e monitoramento de políticas públicas, jurídico-registral, urbanístico-ambiental, comunicação e participação social, cartografia e geoprocessamento e tecnologia.

O Programa Morar, Conviver e Preservar a Amazônia (Rede Amazônia) é uma parceria da Comissão de Regularização Fundiária da Universidade Federal do Pará (CRF-UFPA) com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e atua, em rede interfederativa, em nove estados da Amazônia Legal, 52 municípios, 78 glebas, 152.852 domicílios envolvendo mais de 530 mil famílias, que estão localizadas em mais de 13 mil hectares na região amazônica.


Texto: Kid Reis – Ascom-CRF-UFPA


8 visualizações0 comentário