A construção da cidade teve o respaldo do então presidente da República, Juscelino Kubitschek, de Jarbas Passarinho e do urbanista Lúcio Costa, que concedeu uma planta da cidade, que acabou sofrendo alterações. No entanto, informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística dão conta que em 1958, Ariston Alves da Silva, que atravessou Bacia do Rio Capim, uma das microbacias da "Região Hidrográfica Costa Atlântica Nordeste no Pará, que envolve sete municípios da região, estabeleceu a sua primeira roça de arroz no território.

A cidade existe há 55 anos e segundo dados do Censo IBGE/2010 Paragominas possui uma área de 19428,16 km² e uma população total de 113.145 habitantes, sendo 21.308 moradores na área rural. A densidade demográfica alcança 5,06 hab/km ² e sua economia nasce da agropecuária e segue até a mineração, além de movimentar o setor do agronegócio com um forte setor de maquinário e serviços na cidade.

Ao longo da sua história, a cidade foi marcada, também, pela violência urbana policial resultando no nome de “Paragobala”, realidade modificada no decorrer do tempo, inclusive com a presença da Força Nacional e do Ministério Público Federal exigindo, com a força da lei, a adequação aos setores produtivos locais à sustentabilidade ambiental, resultando  nos avanços alcançados no Programa Município Verde, que plantou de milhões de mudas de árvores.

Dados do Instituto revelam que a maior parte da população está entre 15 e 64 anos e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDHM) da cidade é de 0,645 (quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento humano local).

Pelos dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2010, a taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade atinge 10,62%. O ensino fundamental envolve 20.898 pessoas, o ensino médio 5,211 e o superior completo alcança 2,5% da população local.

Em relação à saúde, dados do IBGE/2017 revelam que a mortalidade infantil atingiu 10,62 óbitos por mil nascidos vivos. O IBGE/2009 revela que a localidade possui 17 estabelecimentos do Sistema Único de Saúde (SUS) e, em 2016, 1,4 internações por mil habitantes tiveram como causa a diarreia.

A renda per capita conforme o Instituto é de R$ 507,16 sendo 42,41% da população extremamente pobres e 52,60% de pobres. O salário médio mensal do trabalhador formal, IBGE/2017, era de 2,6 salário mínimo. O percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até meio salário mínimo, em 2010/IBGE, atingia 41,3% da população. A vulnerabilidade social 51,97%, e pessoas de 18 anos ou mais sem fundamental completo e ocupação informal atingia 44,42%.

Uma leitura do ponto de vista da análise urbanística, 93,20% da população têm água encanada em domicílio. 98,67% têm energia elétrica e 97,17% do lixo é coletado. Já em relação ao saneamento básico, 39% das moradias são abastecidas por água de poço ou nascente. A rede geral de distribuição atinge 58% da população.

A coleta do lixo alcança 73% pelo serviço de limpeza da cidade, 2% é queimado, e 24% são coletados em caçamba.  Na cidade 88% dos habitantes têm banheiro, 11% têm sanitários e 1% não possui nem um dos dois. Em relação ao esgotamento sanitário, 11% usa a fossa séptica, 82% a fossa rudimentar e 2% utiliza a vala. 1% da população não tinha acesso a estas políticas públicas, conforme dados da InfoSanBa (2010).

A Lei nº 597/06 instituiu o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano do Município de Paragominas. O Cadastro Ambiental Rural (CAR), foi criado pela Lei nº 12.651/2012, por meio do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente – SINIMA, sendo regulamentado pela Instrução Normativa MMA nº 2, de 5 de maio de 2014. O Decreto 2000/2018 nomeou uma comissão para realizar a revisão do Plano Diretor da cidade. No website da prefeitura não foi encontrada legislação específica sobre a regularização fundiária.

Com pouco mais de 200 km distante de Belém, a comunicação local abarca os meios tradicionais das mídias digitais, websites, blogs, jornais, televisões, rádios comerciais, rádios comunitárias e iniciativas populares, tais como carro som e bicicleta som, entre outros.  A prefeitura está localizada na Av. do Contorno, 1212, Centro. O contato pode ser feito pelo telefone (91) 3729-8037 / 3729-8038.

©2020 por Projeto Rede Amazônia.