A origem do núcleo municipal está ligada a iniciativa pessoal de um migrante que instalou em seu lote, às margens da rodovia BR 230, próximo ao rio Pacajá, um pequeno bar e restaurante, que começaram a servir de ponto de apoio para caminhões e ônibus que trafegavam pela rodovia. De origem tupi, o termo "paca", falado popularmente, nos remete ao animal, paka, que tem um comportamento atento, vigilante e desperto, além de hábitos noturnos e se alimentar de frutas, folhas, sementes e raízes, entre outras fontes.

 

Segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/ 2019, a população urbana de Pacajá é estimada em 47.706 pessoas. Em 2010, eram 39.979 habitantes. A população urbana somava 11.568 habitantes e a rural alcançava 27.890 pessoas. A densidade demográfica é 3,38 hab/km ². Os conflitos regionais são marcados por combate às queimadas, desmatamento e transporte ilegal de madeira, entre outros desafios regionais.

 

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDHM) da cidade é de 0,515 e quanto mais próximo de 1, maior o melhor desenvolvimento das famílias na região. 4% da população tem 65 anos ou mais. 35% dos moradores possuem menos de 15 anos e 61% de 15 a 64 anos. A taxa de envelhecimento é 4,9%, revelando as relações existentes entre o número de idosos e a população jovem. Um total de 63,62% das pessoas são dependentes da população economicamente ativa. A economia do município está centrada na exploração e extração de madeira, agropecuária e comércio, além da importância estratégica e inclusiva da Feira da Produção Familiar Rural de Pacajá.

 

A renda per capita é de R$ 231,91, sendo 38,87% de extremamente pobres e 55,04% de pobres. Pelos dados do IBGE (2010), 55,5% população tem rendimento nominal mensal per capita de até ½ salário mínimo, conforme o Instituto. 72,30% das pessoas de 18 anos ou mais não tem ensino fundamental completo e a ocupação é informal. 75,86% são vulneráveis à pobreza.

 

A taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade atinge 93% dos estudantes, conforme o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) em 2010. O ensino fundamental alcança 8.737 discentes e 1.019 no ensino médio. Em relação à saúde, a mortalidade infantil, conforme dados do IBGE/2017, era de 15,71 óbitos por mil nascidos vivos. A diarreia atinge 3,1 internações por mil habitantes. A cidade tem 13 estabelicimentos do Sistema Único de Saúde (SUS), conforme IBGE 2009.

 

Do ponto de vista urbanístico, que envolve habitação e saneamento básico, 79,89% dos domicílios da população de Pacajá tem água encanada e 72,70% tem energia elétrica. 61,48% da população em domicílios possuem coleta de lixo, conforme dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Instituto de Economia Aplicada (IPEA) e a Fundação João Pinheiro (FJP). O abastecimento de água é feito da seguinte forma: poço ou nascente, 75%. Rede geral, 21%, e outros meios 4%. Sobre o lixo, o serviço de limpeza absorve 10%. São queimados 28% e 52% ficam em caçambas. 9% são jogados em terreno baldio, entre outros. O esgotamento sanitário é feito em 10% de fossa séptica. 70% utilizam a fossa rudimentar e 7% a vala. 5% não tem acesso ao esgotamento, conforme o InfoSanBa (2010).

 

Desde 2006, a cidade possui um plano diretor, mas as pesquisas realizadas pela CRF-UFPA não encontraram o documento. A Lei Municipal Nº 391/14 estabelece o uso de parcelamento do solo e a regularização fundiária é regida pela Lei Nº 441/2017.   A Prefeitura está localizada na Avenida João Miranda dos Santos, 67, Centro. O telefone é (91) 99191-7191 e os contatos podem ser feitos pelo e-mail: prefeitura@pacaja.pa.gov.br. Para mais informações acesse a prefeitura local, clicando diretamente no ícone abaixo:

©2020 por Projeto Rede Amazônia.