Esta dinâmica de fluxo populacional faz com que a cidade passe pelas alterações de freguesia, vila e outras alterações legislativas e disputas políticas até que o decreto estadual de nº 1.442, de 24 de dezembro de 1934, que consolidou a elevação de Oriximiná como município brasileiro. 

Na década de 70, a cidade sofre outras transformações profundas com a descoberta de reservas minerais de bauxita e esta realidade estimulou a implantação do projeto Trombetas, além de construção de rodovias, ferrovia, porto e uma Company Town, uma Vila para abrigar moradores de Porto Trombetas. Memórias culturais diversas mostram que o nome Oriximiná é de origem indígena, de procedência tupi, significando "o macho da abelha", o zangão. Por outro lado, o frei Protásio Frinckel, conhecedor da região e de seus diversos núcleos de habitantes primitivos, defende a derivação de Eruzu-M'Na, que significa "muitas praias" ou “minas de praias”. 

Já em 2010, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, revelam que Oriximiná possuía uma área de 108 085,66 km² e uma população total de 73.096 habitantes, sendo 22.647 moradores na área rural. A densidade demográfica é 0,58 hab/km² e a maior parte da população está entre 15 e 64 anos. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDHM) da cidade é de 0,673 (quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento humano local).

Pelos dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2010, a taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade atinge 96,3%. O ensino fundamental envolve 14.002 pessoas, o ensino médio 3.552 e o superior completo alcança 2,5% da população local. Em relação à saúde, dados do IBGE/2017 revelam que a mortalidade infantil atingiu 23,52 óbitos por mil nascidos vivos. O IBGE/2009 revela que a localidade possui 24 estabelecimentos do Sistema Único de Saúde (SUS) e, em 2016, 3 internações por mil habitantes tiveram como causa a diarreia.

A renda per capita conforme o Instituto é de R$ 332,29 sendo 42,41% da população extremamente pobres e 52,60% de pobres. O salário médio mensal do trabalhador formal, IBGE/2017, era de 3,4 salário mínimo. O percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até meio salário mínimo, em 2010/IBGE, atingia 49,4% da população. A vulnerabilidade social 68,05%, e pessoas de 18 anos ou mais sem fundamental completo e ocupação informal atingia 53,58%.

Do ponto de vista da análise urbanística, 92,52% da população têm água encanada em domicílio. 94,71% têm energia elétrica e 94,63% do lixo é coletado. Já em relação ao saneamento básico, 57% das moradias são abastecidas por água de poço ou nascente. A rede geral de distribuição atinge 41% da população. A coleta do lixo alcança 93% pelo serviço de limpeza da cidade, 1% é queimado, e 6% são coletados em caçamba. 

Na cidade 91% dos habitantes têm banheiro, 6% têm sanitários e 3% não possuem nem um dos dois. Em relação ao esgotamento sanitário, 2% usa a fossa séptica, 92% a fossa rudimentar e 1% utiliza a vala. 3% da população não tinha acesso a estas políticas públicas, conforme dados da InfoSanBa (2010).

A Lei 6.924/2006 abrange o Plano Diretor Municipal Participativo, o Sistema e o Processo de Planejamento Municipal e Gestão do Desenvolvimento Urbano do Município de Oriximiná/PA.  Já a Concessão de Direito Real de Uso de Áreas Públicas do Município para fins de Regularização Fundiária e Urbanização, e dá outras providências, está prevista na Lei 7.321/2010.

A comunicação regional abarca os meios tradicionais das mídias digitais, websites, blogs, televisões, rádios comerciais, rádios comunitárias e iniciativas populares, tais como carro som e bicicleta som, entre outros.  A prefeitura está localizada na rua Barão do Rio Branco, 2336, centro. O contato pode ser feito pelo telefone (93) 3544-3837.

©2020 por Projeto Rede Amazônia.