Conforme dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a cidade de Nova Ubiratã, no Estado de Mato Grosso, foi elevada à categoria de município pela Lei Estadual nº 6691, de 19-12-1995, desmembrado dos municípios de Vera e Sorriso. Em divisão territorial datada de 2007, o município é constituído de 7 distritos: Nova Ubiratã, Entre Rios, Novo Mato Grosso, Parque Água Limpa, Piratininga, Santa Terezinha do Rio Ferro e Santo Antônio do Rio Bonito, assim permanecendo em divisão territorial desde 2009.

A história da cidade é marcada por várias oralidades retratando que a localidade foi fundada por Manoel Pinheiro, uma acionista da COMIPIL - Comércio de Imóveis Pinheiro Ltda., empresa colonizadora de parte da área da antiga Fazenda Ubiratã. Outra corrente de opinião aponta a origem do nome como homenagem à cidade de Ubiratã, localizada na região centro-oeste do Estado do Paraná, de onde vieram os primeiros imigrantes sulistas que habitaram a região.

Por outro lado, dados da Subsecretaria Especial de Cidadania do Governo do Mato Grosso destacam que o Estado é, também, indígena e não pelo volume de sua demografia, mas pela quantidade de povos indígenas que habitaram e cultivaram formas de vida no território, ou seja, os Jurunas, Waujas, Meinacos,  Iaualapitis, Cuicuros, Calapalos, Suiás, Caiabis, entre outros.

Dados do IBGE Cidades/2020 apontam que a cidade possui 12.298 habitantes, enquanto o Censo de 2010 assinalava a existência de 9.218 habitantes, que demonstrava uma densidade demográfica de 0,73 habitantes por km², porém atualmente revela um crescente fluxo migratório. Informações da Associação Mato-grossense de Municípios, seis dos 141 municípios mato-grossenses estão entre os 50 maiores PIB per capita do país – Campos de Júlio, Santa Rita do Trivelato, Nova Ubiratã, Sapezal, Alto Taquari e Diamantino.

A cidade de Nova Ubiratã, localizada no Médio Norte do Estado, tem um PIB de R$ 1,278 bilhão, dos quais R$ 841,1 milhões tem origem na agropecuária. Distante 477 km da Capital, quase a metade de sua área de 1,25 milhão de hectares é utilizada no cultivo de algodão, arroz, feijão, milho e soja. Seu rebanho bovino somava, em 2017, 75,58 mil cabeças. Em 2017, segundo o IBGE, foi o quarto maior produtor de milho do Estado, com 1,456 milhão de toneladas cultivadas em 205,4 mil hectares e avaliadas em R$ 313,59 milhões. Sua produção de soja (1,242 milhão de toneladas, colhidas em 360 mil hectares e orçada em R$ 1,139 bilhão) foi a terceira maior do Estado e a quinta do país. Já a produção de algodão em caroço – 48,6 mil toneladas, em 12 mil hectares, no valor de R$ 88,6 milhões – ficou em 14º lugar na classificação estadual e em 20º no país.

A BR-163, um dos corredores de exportação construído na década de 70, em pleno governo militar, rasgou um território longitudinal de quase 3.600 kms entre Tenente Portela, no Rio Grande do Sul, a Santarém, no Pará, como rodovia estratégica para o escoamento logística de transportes na Região Norte do País e os seus efeitos colaterais sobre as comunidades indígenas, quilombolas e ribeirinhas. No discurso “ocupar para não entregar”, dizia a política da ditadura militar para a ocupação do “vazio” Amazônico. Para o agronegócio, o corredor é estratégico para redução de custos de transporte das mercadorias locais até os portos para exportação entre Itaituba e Santarém.

Em 2018, dados do IBGE, revelam que salário médio mensal era de 2,7 salários mínimos em Nova Ubiratã. A proporção de pessoas ocupadas em relação à população total era de 16.6%. Na comparação com os outros municípios do estado, ocupava as posições 15 de 141 e 49 de 141, respectivamente. Considerando domicílios com rendimentos mensais de até meio salário mínimo por pessoa, tinha 36% da população nessas condições, o que o colocava na posição 92 de 141 dentre as cidades do estado e na posição 3357 de 5570 dentre as cidades do Brasil.

Em relação à saúde pública, a taxa de mortalidade infantil média na cidade é de 10.58 para 1.000 nascidos vivos, conforme o IBGE/2017.  As internações devido a diarreias são de 0.5 para cada 1.000 habitantes. Comparado com todos os municípios do estado, fica nas posições 76 de 141 e 87 de 141, respectivamente. A cidade possui nove estabelecimentos do Sistema Único de Saúde (SUS), conforme IBGE 2009.

Já em relação ao território e o ambiente, apresenta 4.8% de domicílios com esgotamento sanitário adequado, 60.3% de domicílios urbanos em vias públicas com arborização e 1.1% de domicílios urbanos em vias públicas com urbanização adequada (presença de bueiro, calçada, pavimentação e meio-fio). A taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade atinge 96,6% dos discentes, conforme dados do IBGE/2010.

As matriculas no ensino fundamental, em 2018, alcançava 1.683 alunos. No ensino médio, as matrículas alcançam 449 estudantes em 2018. No ensino superior, conforme dados de 2018, eram 92 docentes. Nova Ubiratã tem 11 estabelecimentos de ensino fundamental e duas de ensino médio neste mesmo ano.

Os dados sistematizados pelas equipes do Programa Rede Amazônia mostram que no website da prefeitura de  Nova Ubiratã consta a existência do Plano Diretor conforme a Lei Complementar 004/2016 (Consolidação - Conforme Lei Complementar nº 012, de 13 de dezembro de 2018), que estabeleceu o Plano Diretor Municipal, que pode ser acessado pelo link http://ubirata.pr.gov.br/leis/visualizar_imagem.php?id=6127.

Sobre a lei de regularização fundiária a cidade encontra-se na relação prevista na Portaria nº 28/2008 do MMA, estando inserido no Plano Arco Verde do Governo Federal, regulamentado pelo Decreto nº. 7.008, de 12 de novembro de 2009, passando a gozar, dessa forma, de prioridade de atuação de medidas públicas, conforme determina o referido Decreto regulamentar.  

Por meio da portaria 70 de 2011 da Corregedoria Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, foi instituída a Comissão de Assuntos Fundiários do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, composta pelas seguintes entidades: Corregedoria Geral de Justiça; Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA; Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA; Instituto de Terras do Estado do Mato Grosso – INTERMAT; Associação dos Notários e Registradores do Estado do Mato Grosso – ANOREG-MT; Associação Brasileira de Georreferenciamento e Geomática – ABRAGEO.

A Prefeitura de Nova Ubiratã está localizada na Rua Pará, 1850, Jardim Santa Helena. CEP:78.888-000 Telefone: 66 3579 1191 – Mato Grosso.  O prefeito eleito é Edegar José Bernardi, do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB).