Em 2010, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população era de 15.206 pessoas e está estimada, em 2019, em 18.977 habitantes. A população urbana é composta por 8,750 habitantes e a rural soma 6.456 pessoas.  O Índice de Desenvolvimento Humano (IDHM) alcança 0,656. Quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento humano local.  O IDHM brasileiro se baseia em três dimensões do IDH Global - longevidade, educação e renda, mas vai além e realiza uma adequação da metodologia global ao contexto brasileiro e à disponibilidade de indicadores nacionais.  3% da população tem acima de 65 anos, 53% está na faixa entre 15 e 64 anos e 44% tem menos de 15% anos. 89,96% dos moradores dependem da população economicamente ativa. A taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade, segundo o IBGE, em 2010, atingia 94,9%. Em 2018, 3.938 frequentavam o ensino fundamental e 808 no ensino médio. 4,4 % da população tem ensino superior completo.

 

Já em relação à mortalidade Infantil, em 2017, atingia 8,38% dos óbitos por mil nascidos vivos. A diarreia é responsável 2,8% das internações por mil habitantes.  O Sistema Único de Saúde (SUS) tem 15 estabelecimentos para atender a comunidade. A renda percapita local é R$ 295,50. 28,99% da população são extremamente pobres e 45,68% de pobres. Em 2017, conforme o IBGE, o salário médio mensal dos trabalhadores formais era de 1,6 salários mínimos e 68,67% são vulneráveis à pobreza.   52,45% das pessoas de 18 anos ou mais não tem o fundamental completo e vivem na ocupação informal. A economia local perpassa pelo turismo, festivais culturais locais, agricultura, agronegócio, prestação de serviços, comércio, turismo, piscultura, cooperativismo, entre outros.

 

Do ponto de vista da análise urbanística, envolvendo a habitação e o saneamento, os dados compilados pelas equipes da Programa Rede Amazônia revelam que 80,26% da população em domicílios tem água encanada e 85,34% energia elétrica. 76,74% da população em domicílios possui coleta de lixo. 26% do abastecimento de água vem de poço ou nascente. A Rede geral responde por 69% e 5% dos moradores têm acesso a água por outros meios. O serviço de limpeza responde 68% da coleta do lixo, 18% são queimados e 4% são enterrados. 51% dos domicílios têm banheiros e 42% possuem sanitários. 7% da população não possuem nenhum dos dois.

 

O esgotamento sanitário em fossa séptica é 1% dos moradores. A fossa rudimentar é utilizada por 90%  e 1% usa a vala. A Rede geral de esgoto ou pluvial é utilizada por 1% da comunidade, conforme dados da InfoSanBa (2010), uma ferramenta tecnológica colaborativa para estudos sobre a realidade do saneamento municipal no Brasil. 

 

A cidade não tem plano diretor e legislação de parcelamento do solo. Existe uma Lei Municipal de Regularização Fundiária, mas o documento não foi localizado pelas pesquisas das equipes do Programa Rede Amazônia. A prefeitura está localizada na ​Rua Mimosa Sá, 021, e o telefone é (68) 3343 1445. Os contatos podem ser feitos pelo e-mail comunicação@manciolima.acre.gov.br ou através do site da prefeitura local (ícone abaixo):

©2020 por Projeto Rede Amazônia.