Na década de 80, Colniza integrou os projetos do governo brasileiro de expandir as fronteiras amazônicas, que estimulavam a migração populacional de famílias da região sul do Brasil, para a colonização territorial por meio de projetos de assentamentos rurais efetuados pela empresa “Colniza Colonização Com. e Ind. Ltda”, o que acabou batizando o nome do município. O garimpo de ouro marca a história local até o seu esgotamento, passando, posteriormente, para a madeira e a agricultura. Atualmente, com grande influência de migrantes de Rondônia, a força econômica está centrada, ainda, no comércio, indústria, minério, extrativismo e o turismo, entre outras áreas, além do forte peso dos assentamentos rurais agrários.  A área territorial é de 8.070,68 km².

 

Em 2010, a população era de 26.381 pessoas e em 2019 alcançou 38.582  habitantes,  conforme dados do Instituto Brasileiros de Geografia Estatística (IBGE). A população urbana soma 14.987 habitantes e a rural atinge 11.394 habitantes. 2,8% da população estão acima de 65 anos. 66,3% está na faixa de 15 a 64 anos e 30,9% têm menos de 15 anos. 50,83 % da população é dependente da população financeiramente ativa. A taxa de escolarização de 6 a 14 anos alcança 95,4%.

 

O ensino fundamental alcança 4.320 alunos e 1.364 no ensino médio. 3,5% da população possui ensino superior, conforme dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).  Colniza possui oitos estabelecimentos ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) para atender aos moradores.

 

Em 2017, a mortalidade Infantil atingia 9,24 óbitos por mil nascidos vivos. As internações por diarreia atingiam 0,5% das internações por mil habitantes.  O salário médio mensal dos trabalhadores formais, em 2017, era de 1,8 salário mínimo, e a renda percapita alcança R$ 411,69.  22,95% são extremamente pobres e 31,89% de pobres.    45,7% da população têm rendimento nominal mensal per capita de até ½ salário mínimo, conforme dados do IBGE de 2010. A vulnerabilidade social alcança 51,48% da população.

 

Urbanisticamente, 92,72% da população em domicílios possui água encanada e 71,25% energia elétrica. A coleta de lixo atinge 87,68% da população em domicílios, conforme o IBGE, em 2010.  Do ponto de vista do saneamento básico, o abastecimento de água em Colniza é feito pela Rede geral, 46% da população utilizam poço ou nascente. Somente 2% dos moradores têm acesso por outros meios. O serviço de limpeza atinge 85%. 4% do lixo são queimados e 10% recolhidos em caçambas. 93% das casas têm banheiros e 7% possuem sanitários, enquanto 7% não têm acesso a estes benefícios. O esgotamento sanitário é realizado por 7% da população em fossa séptica e 90% em fossa rudimentar, conforme dados da InfoSanBa (2010), uma ferramenta tecnológica colaborativa para estudos sobre a realidade do saneamento municipal no Brasil.

 

A comunicação na região perpassa pelos meios convencionais de mídia, blogs e rádios. Tem destaque os webjornais. Pelas pesquisas das equipes da Rede Amazônia, a cidade não possui plano diretor, legislação de parcelamento do solo e legislação Municipal de Regularização Fundiária. A prefeitura está localizada Avenida dos Pinhais, 119 – Centro - (66) 3571-1000. Clique no ícone abaixo e visite o website da prefeitura local:

©2020 por Projeto Rede Amazônia.